PRESS RELEASE - Qualificador #2 Eurogamer CS:GO

Institucional

Sep 19, 2018

No seguimento do post público por parte da INYGON assinado pelo administrador Pedro Antunes, a For The Win Esports Club vem por este meio pronunciar-se sobre este assunto nos seguintes termos:  

A decisão administrativa tomada pelo Sr. administrador Pedro Antunes coloca diversas reservas ao corpo dirigente do clube FTW, razão pela qual, não podemos ficar indiferentes, nem tão pouco, deixar passar em branco este tema. Não obstante na parte final do texto este mencionar que pode ser contactado via e-mail, o que é certo é que este clube não foi contactado via e-mail tendo conhecimento desta decisão de forma pública, razão pela qual, também nos vamos expressar de forma pública.

 

Diz o comunicado:

"1. O jogador “born” com o nome de “SHOWdjibola” na plataforma FACEIT pertencente à equipa da FTW foi banido horas depois deste qualificador."

O jogador "born" não foi banido de nenhum qualificador pelo que temos conhecimento, nem tão pouco tem qualquer tipo de VAC ban (sistema oficial do "developer" do jogo CS:GO). O que temos conhecimento é que o jogador ficou com a sua conta suspensa pelo período de 2 anos numa plataforma não afiliada à VALVE (FACE IT) através de um sistema desenvolvido pela própria FACE IT (e não VALVE "WEBSITE FACEIT is not affiliated with Valve or Steam"), portanto a informação aposta no ponto 1. do comunicado não vai ao encontro da verdade.

 

"2. Foi confirmado pela nossa plataforma parceira (FACEIT) que este mesmo jogador tinha sido banido por cheating, algo que vai contra as regras e regulamento do presente torneio.
Tendo em conta os acontecimentos anteriormente descritos e após deliberação ponderada, a Inygon decidiu que serão refeitos todos os jogos em que a FTW passou, ou seja: no primeiro jogo, na Ronda 64, a equipa “LHSTA” irá vencer a FTW e começar a bracket a partir daí até ao jogo decisivo que irá por frente a frente a equipa que passar desta árvore da bracket contra a equipa dos ASP."

Segundo o comunicado é "confirmado" por uma plataforma parceira (FACEIT) que o jogador tinha sido banido por cheating, naturalmente que, o clube FTW não compactua com estas práticas, mas também não pode compactuar com difamação pública e gratuita de forma totalmente irresponsável sobre o ser humano e jogador denominado de "born", pois que vejamos:

- FACEIT "confirma" que foi cheating, questiona este clube ao sr. administrador perante essa confirmação quais os seus atos de investigação que possam responder às seguintes questões:

. Qual o tipo de cheat utilizado?

. Qual o momento em que foi utilizado?

. Em que jogo?

. Quais as rondas de que jogo?

. Prova concreta, objectiva e clara da utilização deste meio ilícito?

. Minutos identificados em VOD por parte de um grupo de administradores em que se comprove a utilização de qualquer cheat?

. Apanhado em vídeo (clipping) desse mesmo ilícito?

 

Pois que, enquanto não forem respondidas todas estas questões, temos apenas uma "confirmação" de uma entidade não afiliada à VALVE de uma suposta utilização de "cheating", plataforma essa que utiliza um sistema seu próprio (que no passado já mostrou ter diversas falhas).

 

Questionamos ainda, onde ficou aqui também o trabalho extensivo do respectivo administrador, ou grupo de administradores, em que identifica de forma clara e sem qualquer margem de dúvida da utilização de qualquer programa ilícito que trouxesse qualquer vantagem durante o jogo, pois que, em parte alguma do comunicado público assistimos ou podemos ter qualquer prova substancial, objectiva, clara, inequívoca e minimamente razoável.

 

O jogador "born" no dia seguinte ao qualificador supramencionado joga em lan para outra competição com um administador presente tendo uma prestação ainda mais positiva, não obstante serem competições distintas, este facto afasta de momento as suspeitas da FTW sobre o jogador.

Posto isto, e sem qualquer tipo de prova conclusiva contra o jogador, nem os jogadores FTW, nem a equipa FTW, nem o clube FTW, a FTW é desqualificada deste mesmo qualificador pelo respectivo administrador. Fica então a decisão administrativa baseada numa plataforma não controlada pelo sr. administrador de torneio, que sem apresentar qualquer prova cabal leva a este desfecho? Não nos parece minimamente razoável nem tão pouco com qualquer margem de justificação, pois que, não foi dada. 

 

Ainda sobre a decisão do sr. administrador de torneio o mesmo pretende refazer a bracket onde a equipa FTW se encontrava e ficam as seguintes questões:

. Então e o 1º qualificador em que a equipa participou?

. Então e os demais 4 jogadores que nada lhes foi identificado?

. Então e onde (atendendo à alta subjectividade sem qualquer dado concreto de utilização ilícita por parte do jogador "born") têm esses mesmos 4 jogadores e o clube FTW oportunidade de estar nessa mesma bracket a ser refeita?

 

Concluimos para já de forma preliminar, até prova em contrária, que a decisão do sr. administrador de torneio não tem qualquer base de fundamento entrando em prejuízo direto do jogador "born" que é acusado de alegadamente utilizar "cheats" sem prova objectiva, ausência de qualquer investigação ou conclusão premente, da penalização de 4 jogadores sem qualquer base nem fundamento e da penalização da equipa FTW e clube sem qualquer base nem fundamento, não atendendo a qualquer escopo nem crivo de prova material ou justiça.

 

 




A Direcção da For The Win Esports Club 

João "Hexxme" Santos
Voltar a Notícias