O presente Press Release vem expor a decisão tomada em sede da For The Win eSports Club e à utilização da marca na competição LPLOL G2A.


Este Press Release é emitido pelo nosso CSO, Bruno “Impakt” Moutinho, que o vem fazer nos seguintes termos:

 

“Exmos. Senhores/as,

 

pelo cargo que exerço na FTW eSports Club e no exercício das minhas funções, consultei todos os patrocinadores, jogadores, Direcção, Equipas Técnicas, Staff, Consultores internos e externos, tendo sido a decisão unânime sem qualquer de parecer ou opinião contrária.

 

Referente à denominada LPLOL G2A, que se apresenta como uma Liga de League Of Legends nacional com site em http://lplol.pt/, organizada pela INYGON e League Of Legends Portugal, conforme enuncia no site em http://lplol.pt/lplol/organizacao/ decidiu-se a proibição do uso do logótipo e nome FOR THE WIN ESPORTS CLUB, legalmente registado, desta competição.

 

Esclareço desde já que aos jogadores/equipas não foi imposta qualquer medida, tendo sido tomadas as suas decisões por livre arbítrio.

 

Tomei esta decisão, juntamente com os demais orgãos, com as respectivas aprovações estatutárias, pelos seguintes motivos:



1. Nos qualificadores para esta competição a FTW teve jogadores seus a participar. No decorrer desses qualificadores a organização “LPLOL” mostrou-se negligente, tendo sido tomadas decisões que prejudicaram não um jogador, mas uma equipa no todo;


2. Houve ainda ingerência na vida privada do jogador, que não se levou de todo a “peito” aquando de chamada telefónica à “NOS” a confirmar os factos que o jogador estava a afirmar, e que, confirmaram ser verdadeiros;


3. Mesmo com a respectiva confirmação, foi tomada a decisão de que o jogador que não poderia ser substituído, porém, até hoje, não se sabe quem tomou essa decisão tendo sido apenas dito “a pessoa que decidiu isso nem o deveria ter decidido”, ficando nós até aos dias de hoje sem saber quem foi a dita pessoa;


4. Tratamento parcial e injustificado no caso “MACOF”. A mim "IMPAKT" foi me mesmo dito directamente por um membro da dita “board” que a regra iria ser aplicada e que poderíamos jogar com o jogador, o que é certo é, e como é de conhecimento público, não nos foi permitido jogar com o jogador tendo apenas sido dada a resposta 2 horas antes do jogo, e um sem número de e-mails que ficaram por responder, conforme expusemos detalhadamente no comunicado de dia 9 de Agosto de 2015, que pode ser consultado no seguinte link: http://ftw.pt/home/article/id-196;


5. Desta data contam-se então os e-mails que ficaram sem resposta, e bem assim, o tratamento parcial que a nossa equipa teve, da qual, eu próprio, nessa data fazia parte;


6. Dessa mesma data, ficaram claras as mazelas na equipa, que no futuro e claramente ficaram patentes e visíveis por esse tratamento diferenciado, bem como, negligência por parte da mesma “LPLOL”;


7. Só após ameaça de uma equipa, QUE NÃO FOI A NOSSA, de saída da dita Liga, a “LPLOL” decide suspender a competição e aí sim, e além de 3 jornadas depois e mais de um mês após aplicar a regra de alterações de jogadores fora da época de transferências, é para mim CLARO que essa regra deveria ter efeitos retroactivos em prol da justiça e tratamento diferenciado que a nossa equipa sofreu, o que não sucedeu, ficando logo aqui a competição viciada;


8. É nos dado um default num jogo contra os H7, também relatado no comunicado acima referido, diz a dita “LPLOL” que todas as decisões podem ser alvo de recurso, esse mesmo recurso foi apresentado e passados 2 meses não temos qualquer tipo de resposta;


9. Emitiu ainda a “LPLOL” um comunicado referente ao nosso CEO, aplicando a este sanções, cometendo ingerência e devassa da vida privada de um dos nossos jogadores, e repleto de meias verdades ou mesmo claras mentiras conforme se comprovou no comunicado acima referido de dia 9 de Agosto de 2015;


10. Desse comunicado apresentado à “LPLOL”, estavam subjacentes e explícitos várias questões, apelações, recursos afins, aos quais até hoje, fosse por via pública ou privada NUNCA obtivemos qualquer tipo de resposta;


11. Foi ainda transmitida uma ideia infundada e errada nesse comunicado da “LPLOL” sobre a nossa organização, jogadores e CEO, o qual teve efeitos negativos directos;


12. Durante a “LPLOL” foi esta alertada várias vezes referentes às temáticas e gestão do chat da Twitch, quer em reuniões de team líders, quer directamente, tendo sido sempre negligente a “LPLOL” e até empolando certas situações continuando a alimentar uma imagem errada e inextistente da FTW eSports Club dando como resposta “esta é a natureza do chat da Twitch”, tenho a lamentar, mas como um dos maiores streamers nacionais informo, não, essa não é a natureza do chat da Twitch, e que até agora na fase de grupos do “Worlds” pudemos comprovar que não, não é essa a natureza, ou seja, a “LPLOL” compactuou com essas mesmas manifestações adversas, sem em parte alguma proteger os nossos jogadores ou a própria FTW eSports Club;


13. Entendo ainda que a sanção atribuída ao Sr. dirigente Raul Ralha da Team uPRO um autêntico desrespeito e gozo e passo a explicar: o nosso CEO ficou sancionado até ao fim desta edição da LPLOL por supostas questões privadas e internas, pois que manifestações públicas este não as teve que justificasse tal sanção, ao passo que, o dirigente acima referido inferiu directamente com um jogador da na altura equipa Ascension eSports. Ora, a “LPLOL” dá como provada a prática de poaching, porém exaltando o Sr. dirigente e aplicando 3 semanas de suspensão durante a época de transferências, terminando a sua sanção antes sequer do encerramento dessa mesma época. Parece-me óbvio isto ser uma medida parcial com o objectivo de prejudicar directa e objectivamente a nossa organização. Ora, uma sanção que não tem qualquer efeitos práticos, uma sanção que afirma a prática, mas que exalta o dito dirigente, entre outras questões acessórias tão conhecidas de todos. É da minha opinião que, ou não aplicavam sanção nenhuma, ou se comprovada foi a prática de “poaching” teria este de ter sanção igual ou superior ao nosso CEO visto ser uma prática muito mais grave. Não sendo responsabilidade desse dirigente, claramente essa decisão, mas que fica mais do que comprovada a parcialidade com que a “LPLOL” trata as questões;


14.Entramos denominada “segunda volta”, enviamos e-mail à terça-feira, referente ao jogo contra os WD a realizar no sábado seguinte dia 26 de Setembro de 2015. Não obtivemos qualquer resposta a esse e-mail até aos dias de hoje. O Paulo Roxo foi contactado pelo senhor Diogo Resende por mensagens privadas não transmitindo qualquer decisão, ou sequer o que iria suceder ou não. 3 horas antes do jogo (ou seja sábado dia 26), o sr. Filipe Caetano dirige-se ao nosso CEO solicitando a presença de alguém da FTW num TS para falar sobre o jogo, ao qual este informa que o Paulo Roxo não se encontrava, mas que iria chamar o capitão de equipa. O capitão “Chipicow” foi ao dito TS sendo questionado sobre as razões da não possibilidade de realização do jogo, não lhe sendo dada qualquer tipo de resposta nessa altura, e sendo solicitado o mesmo, ou seja, o respectivo adiamento. Durante a stream do jogo que antecedia o nosso é dito “O jogo entre WD e FTW será adiado”, e depois sai informação no facebook da “LPLOL” a informar que “o jogo das 21h entre os White Dragons e os For The Win eSports Club não vai decorrer por impossibilidade de comparência da equipa dos For The Win, deixando assim a vitória para a equipa dos White Dragons.” às 21h15 minutos.

15. Ou seja, não há qualquer tipo de resposta ao e-mail, não há qualquer tipo de informação, e é-nos ainda informado o seguinte “quem decide se quer jogar ou não é a equipa adversária, e estes decidiram não querer jogar informando que não têm disponibilidade em mais nenhuma data próxima”;

 

16. Considero aqui, de forma óbvia e clara, a total falta de consideração pela equipa, jogadores e organização FTW, quer mais uma vez pela meia verdade que colocam publicamente, quer pela forma que mais uma vez fomos tratados. Mais uma vez, a LPLOL atribui, sacudindo a água do capote, as culpas para outros, não assumindo as suas falhas, erros e responsabilidades que supostamente tem ou devia ter. Mais uma vez transmite a ideia errada sobre a FTW eSports e os seus jogadores, quando foi por PURA NEGLIGÊNCIA sua e total falta de respeito e consideração, que apenas 3 horas antes da partida tenta “resolver” algo, que nada “resolve” e passa as responsabilidades para o manager dos WD;

 

17. Após esta situação esteve presente o sr. João Conceição numa reunião da “LPLOL”, para discutir e resolver os problemas dos “defaults”. Ora dessa reunião surgiu ainda a questão de aplicação de sanções às equipas pelos “defaults” e que se estaria apenas a discutir as próximas 6 jornadas. Ora como aconteceu na situação do “Macof”, o que é certo é que mais uma vez estamos perante um torneio viciado, com apenas aplicação de medidas para o futuro, descurando tudo quanto anteriormente se tenha ou não passado, tenha tido ou não efeitos em termos de resultados finais.



Assim sendo, a FTW eSports Club entende, e respeitando inclusivé os seus estatutos, em particular do seu artigo terceiro, que não pode continuar a estar associada a esta denominada como “1ª edição da LPLOL”, atendendo a todas as irregularidades que até a data se verificaram.



Muitos outros exemplos eu podia ainda aqui ter dado, poderia ainda expressar mais a minha indignação como fez o “Mowzassa”, o qual podem ler neste link: http://lplol.pt/entrevista-a-ftw-mowzassa/ , mas foi-me solicitado pela Direcção e até por ex-membros da LPLOL, que não acrescentasse ainda mais factos, a não ser que, no futuro para defesa ainda mais da verdade sejam necessários ser utilizados.

 

É meu entender e da FTW eSports Club que a “LPLOL” não está a seguir a sua razão de existência. A criação desta Liga seria promover as organizações, promover as equipas, aumentar a competitividade, criar condições aos jogadores nunca antes criadas. O que eu verifico não é absolutamente nada disto, muito pelo contrário, e ao contrário do que muitos apregoam de ser algo fantástico, também não consigo concordar, ora vejamos:

 

  1. Problemas nos qualificadores e decisões tomadas por quem não as devia tomar;

  2. A Liga inicia 2 semanas depois uma equipa deixa de existir;

  3. Nessa semana seguinte a FTW carece de mudança de jogadores como a equipa que falei em cima e é impedida sabe-se lá porquê;

  4. A Liga é suspensa sem qualquer tipo de aviso nem razões;

  5. São mudadas as regras sem efeitos retroactivos, viciando desde logo a competição;

  6. Informam-me que posso jogar com um jogador quando afinal depois não posso e só passado 3 jornadas e mais de 1 mês é que afinal já é possível;

  7. Realizados jogos sem spectator mode, quando nas próprias regras diz que todos os jogos são transmitidos;

  8. Tempo de pausa para as transferências em que quase todas as equipas mudam jogadores;

  9. A Liga reinicia e tem desde logo 3 defaults atribuídos;

  10. Agendam reunião e o que pretendem é penalizar as equipas para as últimas 6 jornadas em caso de “defaults”, sem nunca assumirem as suas responsabilidades de nem sequer às equipas responderem aos e-mails ou dar qualquer tipo de justificações e dando ainda a liberdade a X ou a Y de decidir se os jogos são realizados ou não, continuando a viciar os resultados.



Como eu disse a todos os que consultei, simplesmente já é demais! A marca FTW eSports não pode permitir ser exposta desta maneira, utilizada de forma indevida, nem tão pouco de cooperar com um tipo de competição gerida desta maneira.  

 

Já me tinha sido perguntado (por um espetador, não em convite) se gostaria de fazer parte da organização da “LPLOL”. A minha resposta foi e continua a ser: não tenho as competências que acho necessárias para o cargo. No entanto, acho que acaba por ser mesmo esse um dos grandes problemas da actual estrutura. Pessoas que ou não têm as competências necessárias para fazer parte da dirigência da LPLOL ou entidades completamente parciais que arruínam o espírito competitivo e integral do evento.

 

Gostaria também de esclarecer que o que aqui é dito é dirigido à organização da LPLOL e não da comunidade/grupo dirigente do League of Legends Portugal.

 

Acrescento ainda, que em parte alguma a “LPLOL” ou quem a gere pode alguma vez acusar a FTW de ter prejudicado a competição ou por falta de cooperação.

 

A FTW foi uma das organizações que mais partilhou por todas as redes sociais a existência do evento, dos qualificadores, e das streams na fase inicial da competição. O nosso CEO que foi injustamente e crucificado em hasta pública pela “LPLOL” esteve presente em todas as reuniões tendo cooperado e ajudado até demais, exemplo, de medidas que este sugeriu para uma melhor competição e que foram aplicadas e ao qual este nunca recebeu sequer um obrigado, aliás, o obrigado que teve foi uma exposição pública caluniosa e difamatória carregada de mentiras e meias verdades conforme se comprovou pelo nosso comunicado de dia 9 de Agosto de 2015.

 

Eu Impakt jamais serei anti-esports, jamais serei anti-gaming, jamais serei contra a promoção e desenvolvimento dos eSports em Portugal. Portanto, nem a mim nem à FTW alguma vez alguém nos poderá acusar disso. Somos sim contra injustiças, fachadas e referente a esta competição, claramente que eu sou e a FTW é contra torneios viciados e injustos.

 

E quanto a este ponto e caso pretendem esclarecimentos mais aprofundados podem ir à minha stream e terei todo o gosto em explicar, para mim a LPLOL além de ter partido a comunidade, fez ainda com que houvesse menos competitividade e que grande parte de outras equipas deixassem de ter objectivos para existirem e reflexo disso foi a FTW e os EG terem perdido mais de 50% de equipas de League Of Legends. Segundo até os dados internos da FTW neste momento temos mais equipas de CS:GO do que equipas de League Of Legends e isso deve-se a todos os torneios que foram e estão a ser promovidos pela CJM, xFunction, Alientech etc. etc. ou seja uma multiplicidade de torneios em que já foram entregues milhares de euros, quando estamos a 2 meses do fim da LPLOL e ainda nem os prémios se sabem quais são ou serão. Portanto para mim é óbvio, apesar de ler uns e outros a dizer que a LPLOL é uma das coisas mais importantes em Portugal, concordo que a iniciativa sim, mas de longe a execução e os efeitos que ela tem alguma fez foram ou são importantes em ou para Portugal, o que digo bastante desiludido e até posso mesmo dizer de forma entristecida, porém, para mim contra factos não há argumentos. Compreendo também que alguns possam ter saído benefíciados, como em tudo na vida quando uns se prejudicam, alguém tem de sair beneficiado, porém não é dessa forma que tem de ser feito o balanço e o melhor exemplo que temos é a forma como o CS:GO em Portugal é gerido, que aí sim, e pela forma como é gerido tem trazido cada vez mais e melhores jogadores, mais e melhores equipas, mais e melhor competição, e acima de tudo, melhores e mais competições justas.

 

Terminando um último ponto, fui ainda informado que, e ao contrário do que me foi dito, a RIOT não impôs quaisquer regras à LPLOL, nem tão pouco está associada ao evento, salvo a fase final. Ou seja, as desculpas que me foram dadas de que a RIOT é que não permitia umas e outras coisas, pelos vistos não vão ao encontro da verdade. Deixo ainda a sugestão de que da próxima vez que copiarem o regulamento da Challenger Series, pelo menos tentem copiar todas e mais algumas partes importantes e adaptarem-no em conformidade com a realidade portuguesa.

 



Assim sendo, em cumprimento com os estatutos da FTW eSports e das funções que me estão atribuídas a LPLOL fica impedida da utilização do logótipo e nome FOR THE WIN ESPORTS CLUB na sua página web, redes sociais, stream e demais locais a si associados, com efeitos a partir do dia 9 de Outubro de 2015. Referente aos elementos passados, estes devem permanecer intactos em prol da boa verdade dos factos.

 

Em suma, a marca FOR THE WIN ESPORTS CLUB retira-se da 1ª Edição da LPLOL pelas razões acima apresentadas.




Conforme referi em cima deixamos aos jogadores tomar a liberdade de decisão e sobre este ponto trago as próprias palavras dos seus representantes:



Tiago “Chipicow” Silva: Compreendo e concordo com as razões dadas pela minha organização, bem como, a decisão que foi tomada. Quando entrei para esta organização e equipa foi me dado um projecto a longo prazo, e não algo apenas para os próximos 2 ou 3 meses. É nesse sentido que vou e vamos continuar a trabalhar. Não considero que seja prejudicial ou benéfico estarmos ou não na LPLOL, coisas mais correctas ou menos correctas atendendo à classificação da equipa em nada vai alterar, assim sendo, vamos continuar a jogar e a comparecer aos jogos que pudermos ir, mudando o nome da equipa para “SORAKA SOM SISTEMA”, com a tag SSS e peço à LPLOL que passe a utilizar o seguinte logótipo: http://i.imgur.com/5qj6xye.png para a nossa equipa e qualquer comunicação que utilizem o meu e-mail

 

 

Quanto à equipa "Ascension eSports" o manager João Prata solicitou à FTW para se pronunciar através deste comunicado e vem dizer o seguinte:

 

 

João “Prata” Prata: A equipa não pretende, nem vai continuar a jogar na LPLOL. Entendemos que a forma como a competição está estruturada não nos traz qualquer tipo de benefício e está a limitar a existência e o sucesso da equipa. Atendendo a todas alterações de regulamento, mais datas, mais calendários e até mesmo situações do passado referentes aos Panthers, entendemos também que nem razões algumas há, para qualquer tipo de sanções, se bem que nem concordei, nem nunca concordamos com qualquer tipo de sanções. Quero agradecer, e todos os membros da equipa, todo o apoio que a Império Multimédia nos tem dado, e acima de tudo o facto de respeitar esta nossa decisão entendendo que é o melhor para nós. Caberá à LPLOL também entender e compreender que e se é realmente em prol dos jogadores, entenderão a nossa decisão. Assim sendo, a equipa, os jogadores e os Ascension eSports retiram-se da LPLOL”.



Qualquer questão adicional estou disponível, bem como a Direcção da FTW eSports Club para qualquer esclarecimento. Espero a título pessoal que a “LPLOL” pelo menos desta vez tenha uma atitude de respeito.

 

Quanto ao presente comunicado, peço desculpa pela sua extensão, apesar de muito mais poder ser escrito, parece-me mais do que razoável todos os fundamentos, factos e apresentações demonstrados. Acrescento ainda que pelo menos eu sei escrever português, e que piadas de baixo nível como “esperemos que não haja um comunicado de 60 páginas” é algo que muito honestamente condeno. Acredito na seriedade, no profissionalismo e na transparência das situações. Pessoas que mandam esse tipo de pronuncias públicas garantidamente que de transparentes têm pouco e de sérias muito menos, pois que, tratar de forma jucosa assuntos sérios é a mais pura expressão de falta de profissionalismo e seriedade.

 

Desde já quero agradecer a todos os membros e fãs da FTW eSports Club, que frequentemente visitam a minha stream e que continuam a apoiar esta grande organização, a qual, para mim é a melhor organização onde alguma vez me encontrei em Portugal. Apelo ainda a todos os nossos seguidores que compreendam esta tomada de decisão, que as reacções sejam pacíficas e o mais cordatas possível.

 

Bruno “Impakt” Moutinho, FTW eSports CSO”.



O Departamento de Comunicação e Imagem da FTW eSports Club.

 

escrito por Diogo "FTWDiogoambf" Ferreira
05.10.2015
Omen by HPTwitch
Grinding MindWAACMCT